My problems are way worst than yours

my-problems-are-way-worst-than-yours-cartoon-sarah-andersen-scribbles
A tirinha é do Tumblr Sarah’s Scribbles, sobre o qual eu já escrevi aqui.

Ainda refletindo sobre o que pode ser empatia – e sobre o que definitivamente não é -, lembrei de cenas tipo essa daí de cima, que, infelizmente, não são raras. São dois grandes problemas:

1) A pessoa não te deixa falar. Isso é um negócio comum, mas que eu nunca vou conseguir achar normal. Primeiro que é uma falta de consideração cortar alguém que está numa situação de fragilidade abrindo o coraçãozinho pra você; e segundo que, num nível mais básico, é uma falta de educação mesmo, tipo “teus pais não te ensinaram a não interromper os outros?”.

2) A pessoa transforma tudo numa competição – onde ela é sempre a vencedora. Galera é tão competitiva que não basta ser a mais feliz, a mais bem-sucedida, a mais inteligente, a mais bonita… Tem que ser também a mais sofrida, a mais miserável, a mais cagada, a mais Maria Mercedes Marimar Maria do Bairro.

Predador X Presa

Outra coisa que pensei enquanto assistia ao Planet Earth é que, quando vemos programas de vida selvagem, a gente não torce automaticamente pelo predador ou pela presa; a gente torce pelo animal que é o tema do episódio. Você pode até achar que as focas são os bichinhos mais fofos do mundo, mas se você passar 45 minutos acompanhando a trajetória heroica da mamãe urso polar e seus dois filhotes, você vai desejar que os ursos polares destrocem e comam as focas.

O nome disso é empatia.