Sobre merecer o iogurte

A história do bolo que eu contei no post anterior tem um adendo. É a história do iogurte.

Toda semana, a empresa onde eu trabalho faz compras no supermercado e enche a cozinha de coisas pros funcionários comerem. Tem os básicos de cozinha de fiRma, tipo café, chá e bolachinhas, passando por pasta de amendoim, nozes e frutas secas, chegando até os tomates e pepinos para salada, aterrissando no que eu considero o suprassumo da riqueza: iogurte.

Eu sempre considerei iogurte uma coisa de rico. A gente não tinha iogurte na geladeira quando eu era pequena, então eu cresci associando esses potinhos com luxoglamour. Mesmo hoje, que sou adulta (haha), às vezes eu vejo iogurte no mercado e penso em adicionar ao carrinho, mas antes mesmo de estender o braço pra pegar o pote, eu penso “oh, Sarah Lee, quem você pensa que é? – a rainha da Inglaterra? hu hu hu”, e acabo passando reto pela seção de laticínios.

Daí que na geladeira da empresa tem iogurte, que muita gente come no café da manhã. Com fruta, com cereal, com muesli. Pergunta se eu já comi um iogurte da empresa? hahahahanão.

Parte disso é porque eu não me sinto confortável pegando uma coisa que não é minha. E na minha cabeça, as compras da empresa são pra todo mundo – mas todo mundo não sou eu.

Todavia, a questão é maior do que essa. Porque eu boto leite no café, abro bolacha, como salgadinho. Só não toco no iogurte.

A verdade é que: uma parte de mim sente que eu não mereço o iogurte.

Há uns meses eu comecei a fazer terapia, e, na nossa última sessão, a minha terapeuta estava falando sobre merecimento.

O gancho do assunto era algo relacionado a amizades – sobre como tem sido difícil fazer amigos em Israel, e como ao mesmo tempo eu estou perdendo alguns dos meus amigos no Brasil.

Eu estava falando pra ela que às vezes eu estendo a mão e sinto que não tem ninguém lá pra me pegar.

E ela disse que eu mereço ter bons amigos.

E isso foi revolucionário pra mim.

A ideia de que eu “mereço” algo é revolucionária para mim, que tenho uma auto-estima de Chandler Bing com Bisonho.

Ela disse que eu mereço me cercar de gente que me faz bem, eu mereço ter amigos que se importam comigo, eu mereço ter pessoas que estão lá pra mim quando eu pedir socorro.

E eu achando que eu não mereço nem um iogurte.

I don’t like to bother people – baby Sarah edition

Uma vez, quando eu era criança, fui tomar banho e quando terminei e saí do chuveiro, vi que não tinha toalha no banheiro. Minha família toda estava em casa. Eu gritei pedindo para alguém trazer uma toalha para mim? NOPE, eu fiquei lá pelada tremendo de frio até a água do meu corpo secar sozinha.

Até hoje eu só tomo banho depois de verificar se tem toalha.

+ I don’t like to bother people